domingo, 7 de outubro de 2012

Cia Chaveiroeiro abre as portas de um pedacinho da África


Desembarcamos na tão esperada terra de São Tomé e Príncipe, ilha do continente Africano, em 5 de outubro de 2012, com nossa esperança, alegria, ansiedade do que viríamos encontrar e também com a bagagem cheia de ideias, livros, instrumentos e também... repelente!

Essa era a máxima recomendação para viajantes de primeira viagem para lá (de segunda, terceira, etc, também). A malária, também conhecida como paludismo, é transmitida pela picada do mosquito do gênero Anopheles fêmea,  e pode causar até a morte. Se pararmos para refletir, nós também aqui no Brasil somos rodeados por perigos como a Dengue, a diferença é que lá o sistema de Saúde é bem frágil e não seria nada interessante ficar doente por lá.

Não podemos ser hipócritas e dizer que em São Tomé tudo são flores, mas também não encontramos a miséria que a mídia adora divulgar, quando se refere aos países do continente africano. A terra é muito rica em recursos naturais, oferece grande diversidade de peixes e frutos e mesmo sendo um país pequeno e pouco desenvolvido (de acordo com os nossos valores capitalistas), não existe a fome e a violência que nos “acostumamos” nas grandes capitais brasileiras.  

São Tomé e Príncipe, localizado na África Ocidental, é o segundo menor país do continente africano, com área de 1001 km² (menor que a cidade de São Paulo).  São Tomé possui 859 Km² e a ilha do Príncipe  142 km², com 187.356 habitantes, segundo o senso de 2012.  

O país tem como língua oficial o português, mas existem mais três línguas maternas faladas pela população: criolo forro da Ilha de São Tomé (“lungua de san Tomé”), na parte sul da ilha fala-se angolar e o lunguié, falado na ilha do Príncipe. Nas antigas roças os descendentes dos trabalhadores contratados falavam quimbundo angolano (o dialeto de Moçambique) e o criolo caboverdeano, e essas línguas permanecem até os dias atuais, sendo utilizadas com maior frequência pelos idosos.

Às vezes nos perguntam, o que fez duas amigas, professoras, contadoras de histórias se arriscarem por este mundão afora e escolher esse pequenino país da África? UM SONHO!

Um dia eu (Mafuane), conheci uma santomense num Simpósio de Literatura Africana de Língua Portuguesa na UNESP – Assis. Fui ministrar uma oficina de narração de histórias e a Ketty (que é santomense e na ocasião morava no Brasil e estudava psicologia na USP – Universidade de São Paulo – e também ministraria uma oficina no evento), assistiu minha apresentação e adorou meu jeito de contar de histórias. Lembro-me dela falando com o sotaque gostoso dos santomenses “gostaria tanto que você estivesse junto às crianças do meu país a contar histórias e a cantar com elas”.  Sempre tive o SONHO de ir para África, vivenciar as influências da diáspora africana e principalmente visitar os países de língua portuguesa, mas não sabia por onde, e nem como começar. Comprei a ideia da Ketty e o sonho virou nosso!

Durante dois anos me escrevi em editais, fiquei tentando contatar ONG´s e programas de cooperação internacional que se interessassem pela minha proposta de promover intercâmbio cultural entre Brasil e São Tomé e Príncipe, sensibilizando o público através de músicas e histórias.

E o sonho aconteceu!!! A Cia Chaveiroeiro foi convidada pela Embaixada Brasileira em São Tomé e Príncipe, para desenvolver oficinas de contação de histórias para professores da rede pública santomenses, apresentar histórias e participar das doações de livros para crianças de escolas públicas, com o objetivo de divulgar a cultura brasileira e realizar a promoção da Língua Portuguesa, no Centro Cultural sediado na Embaixada.

Nos próximos posts vocês poderão conhecer um pouco dessa experiência através dos nossos relatos.

Forte Abraço! 

Mafu e Mari


2 comentários:

  1. Ohh que linda da tua parte :)`
    Lembro-me muito bem do dia que nos conhecemos ali na cidade de Assis, eu me emocionei quando assisti a tua oficina e de la pra cá foram só coisas boas e boas. Pena eu nao ter estado cá nas ilhas para vos receber, um desencontro daqueles bem chatos ne`? Mas o destino saberá explicar, tenho certeza q vocês voltarão. Obrigada Amiga O vosso Trabalho é lindo e mais uma vez conseguimos realizar o " nosso Sonho" Parabens ...beijao e VOLTEM SEMPRE!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir